Cooperativa de fachada deverá ser dissolvida

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) firmou acordo judicial com a Labor Cooperativa de Asseio e Conservação Ltda. O acordo põe fim à ação civil pública (ACP) ajuizada contra intermediação ilícita de mão de obra. De acordo com inquérito conduzido pelo procurador do Trabalho Paulo Joarês Vieira, a Labor contratava empregados sob a figura de "sócios" para fornecer mão de obra a órgãos públicos. Em razão desta situação irregular, os empregados restavam privados dos direitos sociais, tais como férias, 13º salário, FGTS, etc. Entre as cidades em que atuou, estão Porto Alegre, Santo Antônio da Patrulha, Montenegro, Lajeado, Canoas e Santa Maria.

Imprimir