⚠️ Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante.

Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


O atendimento ao público segue pelos canais online.

Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT-RS participa do Seminário Nacional dos Trabalhadores da Alimentação

Procuradores falaram sobre empregados estrangeiros; evento marcou comemoração de 40 anos do sindicato

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) participou, no último dia 9/10, do Seminário Nacional da Alimentação, promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (STIA) de Marau e pela Confederação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação da CUT (Contac). O evento fez parte das comemorações dos 40 anos do sindicato. Na ocasião, a procuradora do Trabalho Patrícia de Mello Sanfelici apresentou palestra sobre “imigração africana e haitiana nas indústrias de alimentação e suas consequências”. O procurador-adjunto do MPT-RS, Rogério Uzun Fleischmann, participou da mesa de abertura do evento.

     Também participaram da mesa de abertura representantes da Confederação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação da CUT (Contac), do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Marau, da Câmara de Vereadores do Município e da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação do Estado (FTIA/RS). A programação do Seminário se estendeu até sexta-feira, 10/9. Para o procurador-chefe adjunto, "o evento é importantíssimo, na medida em que têm sido verificados muitos imigrantes na indústria da alimentação no Estado. São pessoas que chegam com esperanças e são alocadas em funções que são desprezadas pelos brasileiros, especialmente porque estes, em situação de praticamente pleno emprego, podem procurar outras ocupações. O tema precisa ser discutido e soluções precisam ser encontradas, porque os imigrantes merecem acolhida digna e não podem sofrer, além do impacto próprio de quem deixa sua terra natal e sua família, o impacto do trabalho indecente."

Procurador-chefe adjunto Rogério Fleischmann na abertura do seminário
Procurador-chefe adjunto Rogério Fleischmann na abertura do seminário

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação) com informações do STIA/Marau
Fotos: FTIA/RS
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)

Tags: Outubro

Imprimir