📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT, MP Eleitoral, MP Estadual, TRE e TRT formalizam parceria para combate ao assédio eleitoral no trabalho

Visando à proteção da ordem jurídica e à preservação da liberdade de voto durante as eleições locais em 2024, Instituições acordam atuação conjunta e compartilhamento de informações

 

    O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) firmou nesta quinta-feira (30/11) acordo de cooperação técnica voltado ao combate ao assédio eleitoral no Estado. O documento formaliza a parceria entre os Ministérios Públicos do Trabalho, Eleitoral e Estadual e as Justiças do Trabalho e Eleitoral, prevendo operações conjuntas, troca de informações, encaminhamento mútuo de denúncias e repressão ao assédio eleitoral no trabalho, dentro das atribuições de cada órgão.

     Também está prevista a divulgação de boas práticas e de campanhas; e atos internos de combate ao assédio eleitoral. O objetivo é garantir o respeito e a proteção à intimidade e à liberdade do trabalhador no processo eleitoral. O acordo tem validade de dois anos, podendo ser prorrogado.

    Pelo MPT, assinou o acordo a gestora do projeto e procuradora-chefe em exercício, Martha Kruse. Além dela, assinaram o documento a presidente do TRE-RS, Vanderlei Teresinha Tremeia Kubiak; o presidente do TRT-4, Francisco Rossal de Araújo; o procurador regional eleitoral, Cláudio Dutra Fontella; e o procurador-geral de Justiça, Alexandre Sikinowski Saltz.

     Também participou do evento o procurador do MPT Rafael Foresti Pego, como painelista do tema “Assédio eleitoral no ambiente de trabalho”, junto com o presidente do TRT-4, Francisco Rossal de Araújo, e mediação do desembargador Fabiano Holz Beserra.

Denúncias
     A imposição, coação ou direcionamento nas escolhas políticas dos empregados pode caracterizar discriminação em razão de orientação política (assédio eleitoral), irregularidade trabalhista que pode ser alvo de investigação e ação civil pública por parte do MPT.

     Eventuais violações ao direito fundamental dos trabalhadores à livre orientação política no campo das relações de trabalho podem ser denunciadas ao MPT pelo www.mpt.mp.br.

Texto e fotos: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Novembro

Imprimir