📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT busca solução para atrasos de pagamento da terceirizadora Multiágil

Empresa, de cerca de 2000 empregados, promete pagar vale-alimentação, completando regularização

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) encaminhou na última quinta-feira (24), em audiência, a regularização do pagamento dos empregados da terceirizadora Multiágil, tendo em vista denúncias recebidas, especialmente de trabalhadores que prestam serviço para a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). A empresa afirmou que o vale-alimentação seria depositado até sexta-feira (25), regularizando a situação.

      A empresa atribui os atrasos à inadimplência e ao pagamento fora do prazo dos órgãos que a contratam, entre eles a Companhia Rio-grandense de Saneamento (Corsan) e a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE). Ela tem até hoje (28) para comprovar os débitos desses órgãos e o pagamento dos seus empregados nos meses anteriores. Atualmente, a empresa tem cerca de 2000 empregados.

     A Multiágil é investigada pelo MPT desde 2010, e firmou termo de ajuste de conduta (TAC) com o órgão em junho de 2012, comprometendo-se a pagar, nos prazos determinados em Lei, salários, férias e vale-transporte, além de incentivar o uso do restaurante universitário e dispensar tratamento respeitoso aos empregados. Atrasos de pagamento foram constatados em 2013, com cobrança de multa pelo MPT em setembro daquele ano.

     Denúncias de novos atrasos foram recebidas a partir de abril de 2016. Também convocada, a UFRGS, responsável subsidiária pelo pagamento dos empregados terceirizados, não compareceu à audiência. Além da resolução extrajudicial, o MPT estuda o ajuizamento de ação judicial e a execução das novas multas devidas pelo descumprimento do TAC.

IC nº 001871.2010.04.000/2-28

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8328

Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Novembro

Imprimir