⚠️ Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante.

Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


O atendimento ao público segue pelos canais online.

Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT realiza inspeção no lixão de Uruguaiana

Ministério Público Estadual, Conselho Tutelar e Cerest também participaram da ação, que tinha como objetivo verificar a ocorrência de trabalho autônomo e infantil no aterro

     #Clique aqui para acessar no Flickr fotos (em alta resolução) da inspeção e publicadas nesta página (autor: Divulgação / MPT).

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Uruguaiana, juntamente com o Ministério Público Estadual, o Conselho Tutelar do Município e o Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador (Cerest) Oeste, realizou, na última segunda-feira (21/7), inspeção no lixão de Uruguaiana. A medida tinha como propósito verificar a ocorrência de trabalho infantil e de catadores autônomos no aterro.

     A denúncia da ocorrência de trabalho infantil na localidade partiu do Cerest, pois havia sido verificada a presença de crianças no lixão. Durante a ação, constatou-se que a maioria das crianças presentes no aterro estão abaixo da idade escolar; desse modo, os pais justificam levá-las até lá pois não tem onde deixá-las.

Maioria das crianças encontradas no aterro não está em idade escolar
Maioria das crianças encontradas no aterro não está em idade escolar

     Segundo a procuradora do Trabalho Fernanda Arruda Dutra, responsável pelo caso, há indícios de trabalho infantil no aterro. “Verificamos que as crianças frequentam ou moram no lixão, pois acompanham os pais que trabalham no local”.  De acordo com Fernanda, a preocupação é oferecer assistência às famílias e, principalmente, às crianças. “Estamos buscando uma alternativa. Precisamos de um local que aceite crianças com a faixa etária de menos de seis anos de idade. Uma creche de turno integral seria o ideal para que a situação fosse, ao menos, amenizada”, diz.

     O trabalho autônomo ilegal também ocorre no aterro. Muitos dos catadores não aceitam trabalhar na única cooperativa do local. “Eles entendem que seria uma usurpação do trabalho por terem uma renda preestabelecida. Em razão disso, seguem trabalhando de forma autônoma no lixão, e acreditam ser mais benéfico, pois a renda que auferem é toda sua, sem qualquer desconto ou destinação” explica a procuradora. Porém, segundo ela, a opção nesse caso seria criar novas cooperativas, pois o trabalho autônomo no lixão é proibido.

Aterro possui apenas uma cooperativa de catadores
Aterro possui apenas uma cooperativa de catadores

     Uma reunião com o secretário de Ação Social de Uruguaiana para tratar da situação no aterro e discutir uma alternativa para as crianças foi agendada para o dia 12 de agosto.

Texto: Franciele Costa dos Santos (estagiária de Jornalismo) 
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3066 | Móvel Claro com WhatsApp (51) 9977-4286 
prt4.ascom@mpt.mp.br | www.facebook.com/MPTnoRS | https://twitter.com/mpt_rs

Tags: Julho

Imprimir