☎️ O atendimento ao público, no horário de expediente, pelos seguintes telefones. O MPT-RS também atende por canais online.

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT obtém liminar que garante cumprimento da cota de PCDs pela Sirtec

Empresa, que emprega mais de 700 pessoas, tem 9 meses para alcançar a cota, de 4%

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Uruguaiana obteve liminar que obriga a Sirtec Sistemas Elétricos Ltda., de São Borja, a preencher a cota mínima de vagas reservadas a pessoas com deficiência (PCDs) ou a reabilitados pela Previdência Social, de acordo com a Lei nº 8213. A empresa tem 9 meses para regularizar a situação, sob pena de multa mensal de R$ 10 mil, multiplicada por vaga não preenchida. A medida atinge a sede, em São Borja, e todas as filiais da empresa, 10 delas no Estado, que empregam mais de 700 pessoas, sendo apenas 5 deles PCDs em novembro, quando houve o ajuizamento da ação. A cota a ser preenchida, de acordo com a Lei, é de 4%.

     Além do cumprimento da cota, a liminar determina que a empresa proceda às adequações necessárias no posto de trabalho do trabalhador PCD e que, em caso de dispensa de empregado integrante da cota, seja contratado substituto em condições semelhantes, nos termos propostos pelo MPT.

     A liminar decorre de ação civil pública (ACP) ajuizada pelo órgão. A investigação foi iniciada em 2014, a partir de denúncia. Ao longo do inquérito, a empresa não atendeu à recomendação do MPT dentro do prazo concedido.

      Na ACP, em definitivo, além da confirmação dos efeitos da liminar, o MPT requer a condenação da empresa ao pagamento de indenização por danos morais coletivos de R$ 205 mil, reversíveis a entidades de interesse público sem fins lucrativos ou a órgão público que preste serviços voltados para assistência social. A ação é de responsabilidade da procuradora do MPT em Uruguaiana Martha Diverio Kruse. A liminar foi concedida pela juíza do Trabalho Laura Antunes de Souza, da Vara do Trabalho de São Borja.

Clique aqui para acessar a liminar

ACP nº 0020495-11.2018.5.04.0871

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação) 
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3097 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com Whatsapp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Dezembro

Imprimir