• Procuradorias
  • PRT Porto Alegre
  • Ministério Público do Trabalho, Polícia Federal e auditores fiscais do trabalho debatem ações de combate ao trabalho escravo no Rio Grande do Sul

📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

Ministério Público do Trabalho, Polícia Federal e auditores fiscais do trabalho debatem ações de combate ao trabalho escravo no Rio Grande do Sul

Encontro de entidades envolvidas na proteção da dignidade do trabalho marcou o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo

Encontro foi realizado na Superintendência da Polícia Federal, em Porto Alegre
Encontro foi realizado na Superintendência da Polícia Federal, em Porto Alegre

     Representantes do Ministério Público do Trabalho, do Ministério do Trabalho e Previdência e da Polícia Federal estiveram reunidos na tarde desta sexta-feira (28/01), para discutir ações conjuntas para o combate ao trabalho escravo no Rio Grande do Sul.

     No encontro, realizado na Superintendência Regional da Polícia Federal, estiveram presentes o Delegado Regional Executivo da Polícia Federal, Alessandro Maciel Lopes, o Chefe da Delegacia de Defesa Institucional da PF, João Luiz Correa da Rocha, o coordenador regional da Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Conaete) do MPT, procurador Lucas Santos Fernandes, e os Auditores-Fiscais do Trabalho Henrique Mandagará de Souza e Denise Bautto Domingues Teixeira.

     Na reunião, foram debatidas propostas para o alinhamento e aperfeiçoamento das ações interinstitucionais de enfrentamento ao trabalho escravo, a interação e aproximação das unidades do interior do estado, recebimento e tratamento de denúncias e facilitação do fluxo de informações compartilhadas entre os órgãos.

     Casos de ações bem sucedidas como a Operação Tavares, que resgatou 18 trabalhadores em uma fábrica clandestina de cigarros no município de Triunfo, a Operação Sedução, com o resgate de uma vítima brasileira na Bielorrússia, e a Operação Alforria, que resultou no resgate de trabalhadores venezuelanos nos municípios de Dois Irmãos e Morro Reuter foram utilizados como exemplos de boas práticas da atuação das instituições estatais.

     – Foi um encontro extremamente produtivo, pois reforçou a sintonia das instituições envolvidas em priorizar o combate ao trabalho escravo e permitiu o aperfeiçamento do fluxo de ações estratégicas - avaliou o procurador do MPT-RS Lucas Santos Fernandes.

     Em 2021, em todo o Brasil, 1.937 trabalhadoras e trabalhadores foram resgatados da escravidão contemporânea, segundo dados da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Previdência. O Ministério Público do Trabalho (MPT-RS) esteve presente na maioria dessas operações, realizadas em conjunto com outros órgãos públicos, como a própria Polícia Federal.

DIA NACIONAL

     Em 28 de janeiro é celebrado o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. A data foi instituída em homenagem aos auditores Eratóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e ao motorista Aílton Pereira de Oliveira. Eles foram mortos no dia 28 de janeiro de 2004, quando investigavam denúncias de trabalho escravo em fazendas na cidade mineira de Unaí, no episódio que ficou conhecido como a chacina de Unaí.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Polícia Federal/RS

ASCOM-MPT
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Janeiro

Imprimir