☎️ O atendimento ao público, no horário de expediente, pelos seguintes telefones. O MPT-RS também atende por canais online.

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

Acordo obriga fumageiras a adotar ponto eletrônico

12 empresas tem até 31/7 para se adequarem; em caso de descumprimento, empresas e Sinditabaco devem pagar multas

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) firmou acordo judicial com doze empresas fumageiras que atuam no Estado e com o Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco). As empresas representadas pelo Sinditabaco deverão substituir o controle de ponto "por exceção" atualmente utilizado pelo registro eletrônico de ponto (REP), previsto na Portaria 1510/2009, do Ministério do Trabalho (MT). O sindicato profissional, Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz do Sul e Região (Stifa), também firmou o acordo judicial, na qualidade de anuente.

     O ajuste foi celebrado após ação ajuizada pelo MPT, postulando a nulidade da cláusula da convenção coletiva de trabalho das categorias patronal e profissional envolvidas, que previa a dispensa do registro de horário de entrada e saída do trabalhador, em afronta ao art. 74, § 2º, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). No entendimento do MPT, o disposto extrapola os limites da autonomia coletiva, não podendo prevalecer em detrimento da legislação consolidada. O prazo acordado para que seja implando o REP, em todas as empresas envolvidas, esgota-se em 31/7. Não cumprido o acordado na data estipulada, incidirá multa de R$ 50 mil, majorada em R$ 10 mil a cada mês de atraso no cumprimento.

     O Sinditabaco, por sua vez, não poderá incluir cláusulas como a impugnada em nenhum acordo ou convenção coletiva futura, sob pena de multa de R$ 200 mil por instrumento normativo. Os valores, em caso de descumprimento, serão revertidos ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). As empresas que assumiram o compromisso são de Candelária, Gramado Xavier, Santa Cruz do Sul, Sinimbu, Sobradinho, Vale do Sol e Vera Cruz. O acordo foi realizado pela procuradora regional do Trabalho Beatriz de Holleben Junqueira Fialho e homologado pela Seção de Dissídios Coletivos do Tribunal Regional do Trabalho (TRT4), tendo validade no Estado do Rio Grande do Sul.

Clique aqui para acessar o acordo.

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8328
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Junho

Imprimir