📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT garante cumprimento de cota de aprendizagem por empresa de vigilância de Porto Alegre

Ondrepsb deve pagar indenização de R$ 80 mil por danos morais coletivos

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) obteve decisão favorável em ação civil pública (ACP), ajuizada contra a Ondrepsb Ltda., empresa de vigilância de Porto Alegre, pelo descumprimento da cota de vagas reservadas por Lei para aprendizes. A sentença, proferida pela 20ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, reconhece a obrigatoriedade de se cumprir a cota mínima.

     A empresa tem 30 dias para preencher as vagas, contando da notificação da sentença, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. A empresa deve, além disso, pagar indenização por danos morais coletivos de R$ 80 mil. Os valores são reversíveis ao Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

    O inquérito civil contra a empresa foi iniciado a partir da constatação da irregularidade pela fiscalização do Ministério do Trabalho (MT), em 2017. A empresa alegou à época que não estaria obrigada a considerar serviços de limpeza e guarda patrimonial na base de cálculo da cota de aprendizagem, de 5% a 15% dos empregados.

    O MPT sustenta que, com o Decreto nº 5.598, de 2005, todas as funções que exijam formação profissional devem fazer parte da base de cálculo; e que o Decreto nº 8740, de 2016, colocou fim aos obstáculos para o cumprimento da cota legal de aprendizagem pelas empresas de vigilância, instituindo a cota social de aprendizagem, que permite a contratação de aprendizes para atividades fora da empresa, mediante convênio com órgãos públicos, organizações da sociedade civil e unidades do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo.

   A empresa se recusou a firmar termo de ajuste de conduta (TAC), proposto pelo MPT. Recentemente, duas outras ações do MPT contra empresas de vigilância, na região da Serra, garantiram o cumprimento da cota de aprendizagem profissional. A ação é de responsabilidade do procurador do MPT Bernardo Mata Schuch. A sentença foi proferida pelo juiz substituto Rafael Fidelis de Barros, da 20ª Vara do Trabalho de Porto Alegre.

Clique aqui para acessar a sentença

ACP nº 0021179-64.2018.5.04.0020


Leia mais

12/12/2018 - MPT obtém nova condenação de empresa de vigilância por descumprimento de cota de aprendizagem
12/11/2018 - MPT obtém sentença favorável à aprendizagem profissional na Prosegur

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Maio

Imprimir