📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT obtém condenação de moveleira de Gramado por agressão a trabalhador idoso e sem registro

Empresa pagará indenização por danos morais coletivos e multas em caso de novas irregularidades

      O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Caxias do Sul obteve a condenação judicial de uma moveleira de Gramado e de seus sócios por agressão a empregado idoso e sem registro em carteira. A decisão da 1ª Vara do Trabalho do Município coloca à empresa multas para o caso de novas agressões, físicas ou verbais; de omissão de Comunicações de Acidente de Trabalho (CATs), que são necessárias nos casos de agressão física; e de falta do registro de seus trabalhadores dentro do prazo definido em Lei.

     A moveleira também deve pagar indenização de R$ 90 mil, a título de danos morais coletivos, reversíveis a projetos sociais da região. A sentença entende que a responsabilidade é solidária, portanto os sócios e a empresa são responsáveis pelo pagamento integral da dívida.

     Testemunha ouvida pela Polícia Civil apontou agressões anteriores a outros empregados. A indenização individual ao trabalhador afetado já foi reconhecida em ação trabalhista individual.

     Com a ação judicial, o MPT busca a responsabilização da empresa e o reparo aos danos causados à coletividade. A destinação de indenizações e multas a entidades beneficentes e órgãos públicos, além de compensar mais rapidamente a comunidade local, possibilita às partes a negociação da redução e parcelamento dos valores devidos. As entidades beneficiadas devem prestar contas posteriormente ao MPT.

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

Tags: Novembro

Imprimir