⚠️ Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante.

Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


O atendimento ao público segue pelos canais online.

Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT aciona comerciante por exploração sexual infantil em Santo Augusto

Além da liminar concedida, o órgão pede indenização; Prefeitura e polícia também atuam no caso

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Santo Ângelo obteve liminar contra a comerciante Maria Elizete Oliveira, acionada por exploração sexual comercial infantil em Santo Augusto. A ré aliciava meninas para que fossem até seu bar, no bairro Glória, fornecia bebidas alcoólicas a elas e a clientes, sem alvará para tanto, e alugava quartos para a realização de programas. Adolescentes a partir de 14 anos foram aliciadas, de acordo com a investigação.

     A denúncia contra o bar foi registrada pelo Disque 100. Investigação da Polícia Civil e da Prefeitura do Município embasam a ação judicial do MPT. No Brasil, o Decreto Federal 6.481/2008 veda o trabalho de menores de idade, de qualquer modo, em prostíbulos, boates, bares, danceterias, salas de jogos de azar ou análogos, considerando a exploração como uma das piores formas de trabalho infantil.

     Com a liminar, a ré se sujeita a multas no caso de continuação da prática. Na ação civil pública proposta, o MPT requer, ainda, indenização por danos morais coletivos de R$ 100 mil. De acordo com a procuradora do Trabalho Priscila Dibi Schvarcz, responsável pela ação, o intuito da indenização é "retirar da demandada o proveito econômico obtido com a sua conduta ilícita e desestimular a persistência das ilicitudes". Além da Polícia Civil e do Conselho Tutelar do Município, o MPT encaminhou o caso ao Ministério Público Estadual (MPE), para atuação em suas áreas de competência.

Clique aqui para acessar a liminar.

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8328
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MT/RS 6132)
Fixo Oi (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Julho

Imprimir