📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT-RS é parceiro da Maratona Internacional de Porto Alegre em ação social contra o trabalho infantil

Tradicional evento de rua da Capital é retomado neste ano e volta a apoiar a campanha

Evento será realizado justamente no Dia Nacional e Mundial de Combate ao Trabalho Infantil
Evento será realizado justamente no Dia Nacional e Mundial de Combate ao Trabalho Infantil

     O mais tradicional evento do atletismo gaúcho será parceiro do Ministério Público do Trabalho, da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 4ª Região (Amatra IV) e do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RS) na campanha contra os riscos do trabalho infantil. Uma colaboração entre as três instituições e a direção da Maratona Internacional de Porto Alegre vai levar a mensagem "Chega de Trabalho Infantil", lema oficial das atividades de conscientização sobre o tema promovidas pelo MPT, aos corredores e aos espectadores da 37ª edição do evento, marcada justamente para 12 de junho, Dia Nacional e Mundial de Combate ao Trabalho Infantil.

     Na edição da maratona deste ano, que originalmente estava prevista para junho de 2021, mas foi remarcada devido à pandemia de covid-19, o MPT será parceiro na ação social do evento, voltada ao combate ao trabalho infantil. A ação imprimirá nas camisetas oficiais usadas pelos 15 mil corredores inscritos nas categorias maratona, meia maratona e corrida individual participativa a hashtag #ChegadeTrabalhoInfantil.  Materiais informativos também serão distribuídos em um estande na Feira da Maratona, que será realizada no Centro de Eventos do BarraShoppingSul (Avenida Diário de Notícias, 300, Cristal, Porto Alegre), nos dias 10 e 11 de junho, das 10h às 20hs, e das 9h até 14h do dia 12.

     "Todas as grandes maratonas do mundo não são apenas a corrida, mas também têm a sua ação social paralela. E o MPT sempre foi um grande parceiro nosso. Como este ano a data marcada para a maratona coincidiu exatamente com o Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil, ficamos muito felizes em retomar a parceria" diz o diretor da maratona, Paulo Silva, presidente do Clube dos Corredores de Porto Alegre (Corpa), entidade que organiza do evento.

     O MPT, por meio da sua seção regional da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância), é parceiro do Corpa desde 2018, seja em edições do próprio evento seja em atividades como a Travessia Torres-Tramandaí (TTT) e outros circuitos. Em 2019, a colaboração resultou em três etapas do Circuito #ChegadeTrabalhoInfantil. Essa iniciativa do MPT-RS na criação de ações colaborativas com eventos esportivos para divulgar a campanha foi levada para várias outras corridas pelo país nas quais os competidores também participaram com o lema da campanha em suas camisetas.

     "Uma maratona de rua é um evento de grande visibilidade, com capacidade de espalhar a mensagem de nossa campanha, a de que o trabalho infantil é um grave problema social que representa muitos riscos às crianças e adolescentes a ele expostas e, por isso, não deveria ser naturalizado", comenta a coordenadora regional da Coordinfância, procuradora Patrícia de Mello Sanfelici Fleischmann.

Tags: Maio

Imprimir