📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT, ANDI e OIT lançam guia de cobertura jornalística sobre trabalho infantil

Iniciativa contém dados, legislações nacionais e internacionais e recomendações que vão auxiliar jornalistas em reportagens sobre o tema

Guia oferece estatísticas e informações e foi lençado com transmissão ao vio no canal da TV MPT
Guia oferece estatísticas e informações e foi lençado com transmissão ao vio no canal da TV MPT

     Com o objetivo de contribuir para o trabalho de profissionais da imprensa em reportagens sobre exploração do trabalho da criança e do adolescente, foi lançada, nesta terça-feira (10), a publicação Trabalho Infantil: Guia para a Cobertura Jornalística. A iniciativa é uma parceria entre o Ministério Público do Trabalho (MPT), a ANDI - Comunicação e Direitos e a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

     O guia oferece a profissionais de imprensa grande quantidade de informações, de forma simples e técnica, a fim de subsidiar a cobertura jornalística sobre o tema e a denúncia dos casos de trabalho infantil no país. O documento traz dados sobre trabalho infantil no Brasil, o marco legal com leis brasileiras e convenções internacionais sobre a prevenção e erradicação do trabalho infantil, além de recomendações para jornalistas referentes aos aspectos gerais do tema em questão, controle social e responsabilização, novas abordagens para a pauta, edição consciente e uma pequena biblioteca do trabalho infantil.

     O lançamento da publicação foi realizado em uma live transmitida pelo canal da TVMPT na manhã desta terça-feira, 10/5. Participaram da mesa de abertura a coordenadora nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância) do MPT, procuradora Ana Maria Villa Real, a coordenadora de Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho da OIT, Maria Cláudia Falcão, e a diretora administrativa da ANDI, Ana Potyara. O evento contou, ainda, com as falas da consultora da ANDI, Ana Flávia Flores e da jornalista do Portal UOL Maria Carolina Trevisan.

     Segundo a procuradora do Trabalho Ana Maria Villa Real, "o lançamento desse guia é um convite para que os profissionais de comunicação se somem a todos nós nessa pauta. Esse evento é também de sensibilização, conscientização e desmistificação de alegações permissivas que incentivam o trabalho infantil. Ele é uma violação de direitos que não pode ser concebido ou entendido como uma alternativa a vulnerabilidade socioeconômica. Pelo contrário, o trabalho infantil é uma porta de entrada para todas as violações de direitos humanos".

     Ela também criticou a recente tentativa de enfraquecimento da aprendizagem profissional, a partir da publicação da Medida Provisória 1.116/22 e do Decreto 11.061/22: "Os atos do governo vieram como duas pautas que a imprensa divulgou como supostamente positivas, quando na verdade houve a desestruturação do Programa Jovem Aprendiz sob a fachada de estar se abrindo inúmeras vagas para inserção de adolescentes no mercado de trabalho. A política foi elitizada, destruída, precarizada e os adolescentes deixaram de serem o público prioritário da política", finaliza.

PAUTAS DE QUALIDADE

     Para Maria Falcão, coordenadora da OIT, a expectativa é que "o guia possa contribuir para qualificar o debate público sobre o trabalho infantil e pro reconhecimento crescente do papel da imprensa na luta contra essa grave violação dos direitos humanos".

     A diretoria administrativa da ANDI, Ana Potyara, avalia que "a intenção do guia é ter um conteúdo para que os profissionais das redações possam construir pautas de qualidade, de confiabilidade, em momento de tantas notícias negativas e desqualificadas. Notícias por vezes mentirosas que fortalecem discursos e que defendem, inclusive, o trabalho infantil”.

     A jornalista Maria Carolina Trevisan afirmou que estamos vivendo um período de ataques democráticos no país e que "é nosso papel como jornalistas, defender a democracia. Um jornalismo bem feito é um dos pilares da nossa democracia. E, nesse momento de ameaças à democracia, a situação de vulnerabilidade dos direitos humanos foi amplificada por conta da pandemia, mas também por falta de políticas públicas", finaliza.

     Ela ainda detalhou a importância da cobertura de qualidade e com responsabilidade, a partir de itens como: fontes plurais e adequadas à pauta; ir além do factual; abordagem de histórias de vidas, respeitando graus de exposição e vulnerabilidade; dados e indicadores; legislação; contexto histórico e referências.

     A publicação está disponível no site da ANDI e você pode ter acesso ao PDF e baixá-lo clicando aqui.

     O evento de lançamento foi transmitido ao vivo e está disponível para ser assistido na íntegra no canal da TVMPT, clicando aqui.

Texto: Secom/PGT, Brasília

Tags: Maio

Imprimir