☎️ O atendimento ao público, no horário de expediente, pelos seguintes telefones. O MPT-RS também atende por canais online.

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

Contax condenada por obstrução à atividade sindical

Empresa perseguiu empregados eleitos para diretoria de sindicato em formação

     O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) obteve a condenação da Contax S/A em ação civil pública (ACP) movida por obstrução à atividade sindical. Inquérito civil, sob condução do procurador do Trabalho Ivan Sérgio Camargo dos Santos, constatou que a empresa perseguiu de forma sistemática empregados eleitos para a direção e conselho fiscal do Sindicato dos Empregados em Empresas de Telemarketing e Rádio Chamada do Estado (SINTRATEL/RS), constituído em 2013, inclusive com despedida sem justa causa de alguns deles.

     A empresa foi condenada ao pagamento de indenização, a título de danos morais coletivos, no valor de R$ 100 mil e à proibição de praticar atos que impeçam ou limitem a atividade sindical, sob pena de multa no valor de R$ 5 mil, por ato ou oportunidade em que comprovado o descumprimento da obrigação. Os valores serão revertidos em favor de entidade beneficente a ser definida pelo MPT-RS.

     A decisão reconhece a conduta antissindical da Contax, mesmo que à época o Sintratel não tivesse sido registrado no Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS). “A liberdade sindical plena é assegurada desde os primeiros passos visando a criação do sindicato”, explica o procurador Ivan. “Jurisprudência reiterada, inclusive, assegura mesmo estabilidade para dirigentes sindicais eleitos, de entidades que ainda não obtiveram o registro definitivo no MTPS, a demonstrar que mesmo na fase pré-registro tem-se a prática de atos sindicais”. A empresa se recusou a firmar termo de ajuste de conduta (TAC).

     A decisão foi proferida pela juíza do Trabalho Maria Cristina Santos Perez, da 12ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. Recentemente, o MPT-RS obteve liminar contra a Contax por irregularidades no pagamento de vale-refeição e registro em carteira de trabalho. No caso, a empresa também se recusou a firmar TAC, proposto pelo procurador responsável, Marcelo Goulart.

Clique aqui para acessar a decisão.

ACP nº 0020372-10.2014.5.04.0012

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Fixo: (51) 3220-8328 | Móvel Claro (51) 9124-3415
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTPS/RS 6132) 
Fixo: (51) 3220-8327 | Móvel Claro (51) 9977-4286 com WhatsApp
prt4.ascom@mpt.mp.br | facebook.com/MPTnoRS | twitter.com/mpt_rs

Tags: Fevereiro

Imprimir