📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social

MPT-RS investiga denúncia de trabalho análogo à escravidão em Bento Gonçalves

Órgão esteve com a BM e com a fiscalização do trabalho em uma plantação de uvas na zona rural do município e encontrou alojamento degradado, mas não houve flagrante

Alojamento encontrado na propriedade. Crédito: MPT-RS, Divulgação
Alojamento encontrado na propriedade. Crédito: MPT-RS, Divulgação

     O Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT-RS) esteve na tarde de 10/02, quarta-feira, em uma propriedade rural no município de Bento Gonçalves, acompanhado da Brigada Militar e da fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, a fim de apurar uma denúncia de trabalho análogo à escravidão em uma plantação de uvas.

     No local, a fiscalização encontrou, no interior de um aviário desativado, um alojamento que supostamente vinha sendo utilizado por trabalhadores, conforme indícios e informações coletados no local.O alojamento não apresentava condições mínimas de higiene e conforto, não podendo ser utilizado para a habitação humana. Quando da fiscalização, tal alojamento não estava sendo ocupado pelos trabalhadores, motivo pelo qual não houve resgate.

     A fiscalização trabalhista ainda está em curso. O empregador foi notificado para regularizar a situação e a documentação dos trabalhadores que laboravam na colheita da uva e para explicar a própria existência do alojamento na propriedade. O MPT, por meio da PTM de Caxias do Sul, que abrange Bento Gonçalves, instaurou Inquérito Civil para apurar os fatos.

Texto: Carlos André Moreira (reg. prof. MT/RS 8553)
Fixo Oi (51) 3284-3086 | Móvel Claro (51) 99977-4286 com WhatsApp | prt04.ascom@mpt.mp.br
www.facebook.com/mptnors | https://twitter.com/mpt_rs | www.instagram.com/mpt.rs

 

 

Tags: Fevereiro

Imprimir