📅 Atenção! Devido ao estado de calamidade pública, os prazos nos procedimentos do MPT-RS que vencerem neste período ficam prorrogados até 6/6, com exceção dos casos urgentes, relativos à calamidade pública, e os declarados pelo(a) membro(a) oficiante. Ademais, faculta-se ao(à) membro(a) oficiante a realização de audiências na modalidade telepresencial.


☎️ O atendimento ao público segue pelos canais online e, no horário de expediente, pelos seguintes telefones:

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT em Caxias do Sul obtém condenação da Soprano, de Farroupilha, a pagamento de indenização de R$ 1 milhão

Empresa exigia a inclusão de CID nos atestados médicos, ferindo a intimidade dos empregados e o sigilo da profissão médica

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Caxias do Sul obteve a condenação da Soprano Eletrometalúrgica e Hidráulica, sediada em Farroupilha, em ação civil pública (ACP) ajuizada por conta de exigências ilegais, feitas pela empresa, em relação aos atestados de afastamento do trabalho de seus empregados. A sentença impõe à Soprano o pagamento de indenização, a título de danos morais coletivos, de R$ 1 milhão e a obrigação, imediata, de se abster de exigir a Classificação Internacional de Doenças (CID) nos atestados médicos apresentados, bem como receituário médico, nota fiscal de compra de medicamentos e resultado de exames, como era a prática da empresa. Caso desrespeite a decisão judicial, a Soprano deve pagar multa de R$ 20 mil por trabalhador lesado, reversível a entidades assistenciais do Município.

     A Vara do Trabalho de Farroupilha julgou procedentes todos os pedidos feitos pelo MPT. O inquérito civil que apurou a irregularidade e a acusação judicial foram conduzidos pela procuradora do Trabalho Mariana Furlan Teixeira. A prática da empresa é lesiva à intimidade dos trabalhadores e ao dever de sigilo médico, previsto no Código de Ética da profissão. No curso das investigações, a empresa se recusou a firmar termo de ajuste de conduta (TAC), proposto pelo MPT. A indenização será revertida para o Hospital Beneficente São Carlos, de Farroupilha, especificamente para a implementação do atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS) e para outras entidades beneficentes do Município.

     A Soprano tem mais de 1300 empregados em cinco plantas industriais, quatro delas (utilidades, materiais elétricos, hidráulica e construção civil) no Estado, e quatro centros de distribuição no país e no exterior, inclusive um em Xangai, exportando para países das Américas, África e Ásia. A empresa foi considerada a quarta mais rentável do setor Metalurgia da região Sul por levantamento da consultoria PricewaterhouseCoopers concluído em outubro deste ano.

Clique aqui para ler a sentença

Clique aqui para ler a petição inicial

Texto: Luis Nakajo (analista de Comunicação)
Supervisão: Flávio Wornicov Portela (reg. prof. MTE/RS 6132)

Tags: Dezembro

Imprimir