☎️ O atendimento ao público, no horário de expediente, pelos seguintes telefones. O MPT-RS também atende por canais online.

PRT Porto Alegre (51) 3252-1500
PTM Caxias do Sul (54) 3201-6000
PTM Novo Hamburgo (51) 3553-7250
PTM Passo Fundo (54) 3316-4300
PTM Pelotas (53) 3310-7700
PTM Santa Cruz do Sul (51) 3740-2550
PTM Santa Maria (55) 3174-1200
PTM Santo Ângelo (55) 3931-3300
PTM Uruguaiana (55) 3414-4800

⚠️ Recomendação nº 1/2024: emissão gratuita de atestados de exposição a enchentes
⚠️ Recomendação nº 2/2024: adoção de medidas trabalhistas alternativas e diálogo social
⚠️ Recomendação nº 3/2024: adoção de medidas de saúde e segurança do Trabalho em atividades de retomada

MPT defende na Câmara ratificação de convenção da OIT sobre igualdade de gênero

Instituição participou nesta quarta-feira (22) de debate sobre a economia do cuidado

     Brasília – Em audiência pública realizada nesta quarta-feira (22/5), na Câmara dos Deputados, o Ministério Público do Trabalho (MPT) defendeu a ratificação da Convenção nº 156 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sobre igualdade de oportunidades e de tratamento para trabalhadores e trabalhadoras com responsabilidades familiares. O debate ocorreu na Comissão de Legislação Participativa da Casa e discutiu a economia do cuidado, que reúne atividades geralmente não remuneradas e exercidas por mulheres.

    O MPT foi representado pela procuradora do MPT em Porto Alegre Amanda Fernandes Ferreira Broecker, que falou sobre a divisão sexual do trabalho, a desigualdade de gênero e a importância do trabalho de cuidado. Segundo ela, é necessário verificar se as empresas estão adotando medidas de proteção às mulheres trabalhadoras como a flexibilização de jornada e a mudança da cultura organizacional. A procuradora também afirmou que ainda há uma grande resistência em relação à contratação e à manutenção dos empregos de trabalhadoras diante da possibilidade de gravidez ou adoção.

    Outro ponto destacado é o assédio sofrido por trabalhadoras gestantes ou mães. De acordo com a procuradora, a exigência de horas extras, rebaixamento na função e discriminação salarial são algumas das práticas adotadas por empregadores para forçar um pedido de demissão dessas trabalhadoras. “As empresas precisam combater o assédio materno com a capacitação dos seus gestores e gestoras sobre as boas práticas para evitar a sobrecarga de trabalho e a discriminação da trabalhadora, prestigiar a humanização das rotinas de trabalho e incentivar as promoções de trabalhadoras mães”, destacou.

    Para combater a desigualdade de gênero, a procuradora do Trabalho defendeu a ratificação da Convenção nº 156 da OIT, que exige que o Estado membro adote políticas públicas para promover reinserção de trabalhadoras com responsabilidades familiares ao mercado de trabalho. “Sem a ratificação da convenção, nós não vamos conseguir avançar. Quando nós pensamos nesse abismo hoje existente entre homens e mulheres, é necessário pensarmos em políticas públicas específicas para mulheres mães”, pontuou.

    Além disso, a representante apontou como medida de equidade de gênero a disponibilização de creches pelo poder público ou pela empresa assim como a concessão de trabalho remoto ou híbrido e capacitações para trabalhadoras mães.

Assista à audiência pública: https://youtu.be/66veQIIoP_0?list=TLGGMdv5jqAqUBkyMjA1MjAyNA

 

Tags: Maio

Imprimir